‘Navegando’ na areia parada das dunas, como destemidas proas de navio desbravando agitadas águas, ou remetendo para caudas de baleias dançando à tona de água, estas âncoras lembram uma qualquer instalação de natureza marítima. Pode e deve vê-las na praia do Barril, em Pedras D´el Rei. Apesar da simbólica miragem, a origem de todas estas âncoras é bem mais simples e prosaica, mas, ainda assim, não isenta de poesia: são âncoras abandonadas após terem sido utilizadas na pesca do atum e da sardinha em tempos idos, tempos em que a Armação de Pesca, um tipo de armadilha fixa, era o método piscatório utilizado. Consistia num sistema de redes verticais sustentadas por estacas, boias, cabos e âncoras, formando canais, barreiras e câmaras, através dos quais os peixes eram conduzidos até ao centro. Encontram-se, geralmente, divididas em compartimentos que podem ser fechados na base por um pano de rede. As Armações foram muito importantes na pesca do atum e da sardinha, contribuindo fortemente para o desenvolvimento da indústria conserveira em Portugal. Um depósito do passado, nostálgico e de uma enorme beleza.

Localização – Pedras D’el Rei, Praia do Barril – Tavira

GPS – N 37º 5′ 4.4” W 7º 40′ 9.54”